Body Politics in Patrícia Galvão’s Parque industrial

Laura M. Kanost
PDF extract preview

This is a PDF-only article. The first page of the PDF of this article appears above.

Resumo

Abstract

Esta leitura de Parque industrial (1933) de Patrícia Galvão enfoca uma obsessão textual com os corpos feridos, asquerosos e monstruosos para destacar desde um novo ângulo crítico as atitudes ambivalentes no romance sobre classe, gênero, e raça. Coloco esta temática dentro do contexto histórico e cultural do romance, assim participando do recente retorno crítico aos textos do modernismo com o enfoque da raça, discussão que se centra nas obras mais canônicas e tende a excluir obras como Parque industrial. Uma análise cuidadosa da representação dos corpos no romance revela um aparente desejo de subverter os conceitos essencialistas do corpo e a opressão relacionada (sexismo, racismo), e simultaneamente uma tendência de reforçar esse mesmo essencialismo. Esta ambivalência manifesta e participa das tensões sexuais e raciais no Brasil da época, e pode ser considerada uma extensão da luta da própria Pagu para definir uma autorepresentação adequada como artista e intelectual num corpo feminino.

This article requires a subscription to view the full text. If you have a subscription you may use the login form below to view the article. Access to this article can also be purchased.

Log in through your institution

Purchase access

You may purchase access to this article. This will require you to create an account if you don't already have one.