From Mãe Preta to Mãe Desamparada

Maternity and Public Health in Post-Abolition Bahia

Okezi T. Otovo
PDF extract preview

This is a PDF-only article. The first page of the PDF of this article appears above.

Resumo

Na alvorada do século XX, a classe médica desempenhou o papel importante de diagnosticar e proporcionar soluções para as transições políticas e sociais da época, com o objetivo de incentivar a modernização do país. O conceito de modernização demonstrou os limites históricos formados pelas desigualdades raciais e de classe, mas também evidenciou a difusão de idéias novas sobre a harmonia social brasileira. Este artigo analisa a tensão discursiva entre uma imagem nostálgica da mãe preta que celebrou a contribuição cultural dela para o desenvolvimento das relações raciais e uma imagem médica que representa as domésticas como um perigo social, trazendo doença e morte para famílias da classe alta. Este estudo examina também o poder destas duas visões simbólicas para a fundação de serviços de saúde maternal e infantil na Bahia dos anos 1930. Na Bahia, o sistema de saúde pública começou com uma ênfase na saúde das crianças abastadas, mas rapidamente se modernizou, priorizando a saúde e o bem-estar das famílias pobres. Este trabalho ajuda a esclarecer o processo de transição de uma “maternidade servil” a uma “maternidade amparada” com todas as contradições ideológicas da medicalização da sociedade republicana.

This article requires a subscription to view the full text. If you have a subscription you may use the login form below to view the article. Access to this article can also be purchased.

Log in through your institution

Purchase access

You may purchase access to this article. This will require you to create an account if you don't already have one.